O governador de Mato Grosso publicou o ato de nomeação dos delegados de Polícia substitutos, em edição extra do Diário Oficial da última sexta-feira (22). O resultado final do concurso público havia sido publicado no dia 8 de novembro de 2018, mas os candidatos não haviam sido nomeados até a presente data.

O concurso público foi realizado pelo edital nº 1-25 da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso. O cargo tem salário de R$ 19 mil. Ao todo, foram 13 mil inscritos e após suspeita de fraude, houve a suspensão por 60 dias, até a conclusão do inquérito presidido pela Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO) e do inquérito civil do Ministério Público Estadual (MPE). Ao final das diligências, foi concluído que não houve fraude.

De acordo com a assessoria do Governo do Estado, a convocação veio em razão da necessidade de recomposição do quadro de delegados, que sofreu redução crescente nos últimos seis anos.

Entre 2014 e 2020 a Polícia Civil perdeu 69 delegados, contra apenas 18 nomeações no período, resultando em 51 servidores não repostos. A saída dos profissionais se deu em virtude de aposentadorias e mortes.

Anulação

Conforme noticiado com exclusividade pelo Olhar Direto na época, os candidatos pediram a anulação do concurso, alegando fraude na aplicação das provas realizadas no dia 8 de outubro. Uma das principais irregularidades denunciadas foi quanto ao vazamento de fotos da folha de respostas da prova.

O concurso estava marcado para as 15h, no entanto, por volta das 14h diversas imagens do gabarito já circulavam em grupos de whatsapp. O uso de aparelhos eletrônicos no local das provas era proibido.

Em um dos locais onde a prova deveria ser aplicada, um delegado precisou entrar na sala para acalmar os ânimos dos candidatos que causaram tumulto após perceber que os pacotes haviam sido abertos. Ele alegou que o erro teria sido ocasionado pela gráfica responsável pela impressão das provas, mas que tal fato não implicaria no andamento do concurso.

Um Inquérito Civil havia sido instaurado para apurar uma suposta violação de um envelope que continha as provas para o concurso para delegado substituto da Polícia Civil realizadas em novembro do ano passado.

Por causa isso o concurso havia sido suspenso por 60 dias, até a conclusão do inquérito policial presidido pela Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO) e do inquérito civil do Ministério Público Estadual (MPE). Ao final das diligências, foi concluído que não houve fraude.

“Ante o exposto, esgotadas as diligências necessárias ao esclarecimento dos fatos, promove-se o ARQUIVAMENTO do presente Inquérito Civil por não se vislumbrar motivos para a propositura de ação civil pública questionando a legitimidade do resultado das provas escritas objetiva e dissertativa aplicadas no dia 08.11.2017, integrantes da primeira fase do concurso público objeto do Edital nº 01 – PJC/MT de 17.03.2018”, diz o trecho da decisão da decisão.

Veja lista dos nomeados:

BRUNA CAROLINE FERNANDES DA LAET
VICTOR HUGO CAETANO DE FREITAS
PAULA GOMES ARAUJO
BRUNO GOMES BORGES
PHILIPE DE PAULA DA SILVA PINHO
RICARDO DE OLIVEIRA FRANCO
LUCAS EMANUEL PIRES MONTENEGRO
JOAO PAULO BERTE
PAULO CESAR BRAMBILLA COSTA
OTO ANDRADE TEIXEIRA
MARCIO HENRIQUE ALMEIDA
HEBERTH HUGO MONTENEGRO DE SOUZA
RODOLPHO GARCIA GUIMARAES BANDEIRA
EDMUNDO FELIX DE BARROS FILHO
ANTENOR JUNIOR PIMENTEL MARCONDES
CESAR HENRIQUE FERREIRA
GUILHERME CARLOS KOTOVICZ
JOSE RAMON LEITE
HUGO ABDON DE ARAUJO LIMA
ROGERIO GOMES ROCHA
JAILSON PERES DA SILVA
FABIO NAHAS PEREIRA DOS SANTOS
JOAO ANTONIO BATISTA RIBEIRO TORRES
TAIS SILVA TEIXEIRA
MARLON CONCEICAO LUZ
MATHEUS SOARES AUGUSTO
RICARDO MARQUES SARTO
MARCIO GONCALVES DA
SERGIO LUIS HENRIQUE DE ALMEIDA
HONORIO GONCALVES DOS ANJOS NETO

Acesse o documento AQUI.

OlharDireto

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here