A Secretaria de Estado de Saúde (SES) emitiu um alerta aos municípios para o DENV-2, uma variação do vírus da dengue que evolui rápido e pode levar a morte. Esse vírus já circulou em Mato Grosso em 2011, quando houve um bloqueio que evitou a epidemia da doença.

De acordo com a área técnica da secretaria, neste ano existe risco de reinfecção e do surgimento de casos mais graves, especialmente em crianças.

“Orientamos aos profissionais de saúde dos municípios que notifiquem todos os casos suspeitos das arboviroses dengue, chikungunya e zika, considerando o cenário epidemiológico dessas doenças. Ao observar os sintomas, é preciso que os profissionais redobrem a atenção”, recomendou a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da SES, Alessandra Moraes.

A Vigilância do Estado divulgou aos municípios o fluxo de encaminhamento de amostras para diagnóstico laboratorial dos casos suspeitos de dengue, sendo o Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen) a referência estadual.

Sintomas

Os casos considerados suspeitos apresentam febre de duração máxima de sete dias, acompanhada de, pelo menos, dois dos seguintes sintomas:  dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações, dor ao redor dos olhos, fraqueza e abatimento, erupções vermelhas na pela.

No caso de dengue grave ou morte com suspeita de dengue, a notificação aos serviços da Vigilância Epidemiológica Municipal e Estadual deve ser feita imediatamente. Outra recomendação à Rede Municipal de Saúde é para que seja feita e investigação de antecedentes epidemiológicos do paciente.

“É importante enfatizar que, ao ser infectado por um sorotipo do vírus da dengue, a pessoa cria imunidade permanente contra esse sorotipo, entretanto, também cria anticorpos que podem agravar uma infecção, caso seja infectado por um sorotipo diferente”, explicou a coordenadora.

O alerta da SES ressalta ainda que a notificação de doenças e agravos de saúde pública, além de ser uma obrigação legal do profissional de saúde, tem como objetivo sinalizar a ocorrência da doença e desencadear ações de Vigilância em Saúde.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here