Um total de 105 madeireiras foram embargadas em Mato Grosso entre os meses de janeiro e outubro deste ano, durante operações da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) por funcionarem sem licença.

Em outubro, uma operação realizada em Colniza e Rondolândia, a 1.065 e 1.600 km de Cuiabá, apreendeu quase três mil metros cúbicos de madeira ilegal e interditou três madeireiras, segundo o coordenador de fiscalização da Sema, Gibson Costa Júnior.

“As empresas foram multadas em mais de R$ 1 milhão e serão responsabilizadas por esses danos ambientais”, disse.

De acordo com a Sema, toda a madeira apreendida foi catalogada. Essa foi a maior apreensão de Mo estado nos últimos 10 anos.

As operações fazem parte de acordo assinado pelo governo do estado para zerar o desmatamento ilegal até 2020.

O Instituto Centro de Vida, estima que em 2017 foram devastados uma área de 1,196 mil hectares sem autorização, que representa 89% da extração anual.

“O governo vem investindo muito nas ações de fiscalização, para que possamos autuar essas quadrilhas que degradam o meio ambiente de maneira irregular e irresponsável”, contou.

Em uma propriedade em Sinop, a 503 km de Cuiabá, o empresário Jaldes Langer, que era madeireiro em 1990 agora faz o plantio de eucaliptos e teca em sua fazenda.

“A espécie que escolhemos na época para plantar foi a teca. Nós acertamos na escolha da espécie porque ela tem um alto valor hoje”, afirmou.

A propriedade de 50 hectares tem 40% da área ocupada por reflorestamento, que obedece as regras para não causar danos no meio ambiente, o que possibilita a integração com a pecuária. Em oito hectares, onde é feito a produção das mudas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here