Publicada em 18/06/2017 às 22:52

Álcool na adolescência pode prejudicar funções cerebrais para sempre

É crescente a preocupação das autoridades de saúde com o hábito entre adolescentes, cada vez mais precoce e mais frequente, da ingestão de bebidas alcoólicas.

Álcool na adolescência pode prejudicar funções cerebrais para sempre | ABC da Saúde

É crescente a preocupação das autoridades de saúde com o hábito entre adolescentes, cada vez mais precoce e mais frequente, da ingestão de bebidas alcoólicas, principalmente por ser esta situação admitida, tanto entre os jovens e também entre grande parte dos adultos, como algo comum e próprio da idade.

Os efeitos da intoxicação alcoólica aguda sobre o sensório, motricidade e juízo crítico são bem conhecidos e levam muitas vezes o adolescente a ter atitudes que não teria em condições normais. Além disso, um conjunto consistente de evidências científicas tem exposto os potenciais efeitos nocivos à saúde da intoxicação alcoólica aguda.

Nesta semana foi divulgada mais uma pesquisa que aborda esta questão. Foi publicado na revista científica Alcoholism: Clinical & Experimental Research, um trabalho que demonstra os mecanismos celulares que são afetados pela exposição ao álcool de um cérebro adolescente, que ainda não está completamente desenvolvido e maduro. O estudo utilizou um modelo em ratos, que simula o abuso intermitente de álcool na adolescência, para determinar se a exposição ao álcool na adolescência pode levar a alterações de longo prazo na estrutura e função de circuitos neurais dos animais quando adultos. Esta hipótese foi formulada baseada no conhecimento de que a adolescência é um período crítico para o desenvolvimento e amadurecimento dos mecanismos cerebrais que controlam a cognição, as emoções e o comportamento social. Uma função cerebral normal no indivíduo adulto - principalmente no que tange à capacidade de planejamento, modulações inibitórias e memória - depende de uma série de fatores funcionais e estruturais no período da adolescência.

Os resultados revelaram que os ratos adultos que receberam álcool na adolescência apresentavam problemas de memória e cognição. Os cérebros desses ratos foram analisados por uma série de técnicas que permitem avaliar o desenvolvimento e amadurecimento dos circuitos neurais. Isto foi feito particularmente em uma região cerebral chamada de hipocampo, que é responsável pelo aprendizado e memória. Esta análise expôs alterações tanto funcionais quanto estruturais no hipocampo, o que explica os déficits comportamentais apresentados pelos animais.

Baseados nestes resultados os pesquisadores sugerem que o álcool na adolescência pode produzir uma ruptura na maturação normal dos neurônios, o que levaria a alterações permanentes de estrutura e função cerebrais. Os cientistas alertam também que, apesar de, por lei, a adolescência ir até os 18 anos, o cérebro completa o seu desenvolvimento por volta dos 20 anos de idade.

Por estas razões, adiar ao máximo a exposição dos jovens ao álcool é uma medida preventiva com impacto altamente positivo na saúde da população adulta.

 

Veja ainda:

Publicada em 18/06/2017 as 20:42

Óleo de coco faz tão mal quanto a gordura da carne e da manteiga, alerta associação de cardiologia

A associação recomenda consumo moderado de óleo de coco, assim como de qualquer outro alimento rico em gordura saturada.

Publicada em 17/06/2017 as 13:19

Vacina BCG usado para prevenir a tuberculose agora é opção contra a diabetes

Usado para prevenir a tuberculose, o remédio surge como opção promissora para tratar o tipo 1 da doença, justamente o que obriga os pacientes a tomarem insulina todo dia

Publicada em 17/06/2017 as 12:26

Doenças respiratórias lideram lista de internação no país

Agência Nacional de Saúde Suplementar mostra que 472 mil beneficiários de convênios foram hospitalizados com esses problemas no ano passado

Publicada em 17/06/2017 as 10:02

Casos de conjuntivite aumentam com início do verão em Porto Velho

Uma epidemia de conjuntivite viral vem marcando o verão de 2017 em Porto Velho, avalia o médico oftalmologista Adalberto Penatti, da Policlínica Oswaldo Cruz (POC). “Talvez pior do que as ocorridas dez ou 15 anos atrás”, disse.

Publicada em 17/06/2017 as 09:56

Médicos pedem mais exames no Brasil do que em países ricos

Número desses procedimentos por pacientes de convênios médicos no País cresceu 22% em apenas dois anos...

Autor: Dr. Gilberto Sanvitto
Fonte: ABC da Saúde